.Mais sobre mim

.BEM-VINDO/A!

Bem-vindo/a a este blog dedicado à talentosa atriz portuguesa Rita Pereira. Aqui encontrarás as últimas notícias, fotos, vídeos e muito mais sobre a Rita. Espero que gostes do meu trabalho e volta sempre que quiseres.

.REDES SOCIAIS

FACEBOOK OFICIAL DO BLOG

FACEBOOK OFICIAL DA RITA

TWITTER OFICIAL

INSTAGRAM OFICIAL

.GALERIA DE FOTOS

.Informações do blog

Dedicado: Rita Pereira Desde:24 de Maio de 2008 Administradora: Patrícia

.Notícias recentes

. RITA PEREIRA ANTES E DEPO...

. Rita Pereira: “É muito di...

. VFNO 2015 Magnolia - Foto...

. A FORÇA DO AMOR

. "FILHO" DE RITA PEREIRA F...

. Rita Pereira com novo amo...

. Cristina Ferreira entrevi...

. Rita Pereira anseia pelo ...

. Pedro Teixeira inaugura r...

. Rita Pereira no Catpower ...

.Arquivos

. Julho 2018

. Março 2018

. Julho 2017

. Junho 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Março 2016

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

.Pesquisar

 

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds

Segunda-feira, 8 de Agosto de 2016

RITA PEREIRA ANTES E DEPOIS: MAIS GIRA COM O PASSAR DOS ANOS

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

 Rita Pereira é considerada uma das mulheres mais sensuais de Portugal, mas nem sempre assim foi...

A atriz pode agradecer à idade, que lhe deu uma imagem e um estilo mais bonito. O tempo é gentil com a atriz e muitas foram as mudanças que os anos lhe trouxeram. A beldade ficou com mais curvas, com um corpo mais trabalhado, com um rosto mais simétrico e optou por um estilo de roupa mais elegante. Desde que se estreou em Morangos com Açucar até aos dias de hoje, confira as imagens de evolução da beleza da atriz. 

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

 

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

 

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

nova-gente-51223-noticia-rita-pereira-antes-e-depo

 

Leia mais em: http://www.novagente.pt/rita-pereira-antes-e-depois-mais-gira-com-o-passar-dos-anos

publicado por *Patricia* às 19:01
link do post | comentar | favorito
Sábado, 19 de Março de 2016

Rita Pereira: “É muito difícil conseguirem impingir-me o que quer que seja”

rita-pereira2-850x568.jpg

A gravar há mais de um ano a novela “A Única Mulher” onde dá vida à “exigente” Luena, a atriz confessa que o segredo para aguentar o ritmo está “em comer bem e dormir o máximo possível”. “Isso é o fundamental” garante.

Visivelmente mais magra, Rita Pereira explica que a sua perda de peso se deve também ao facto de “treinar muito menos”: “Eu como! Mas quando deixamos de treinar, ao contrário do que muita gente pensa, acabamos por emagrecer”.

No entanto, ainda que com uns quilos a menos, a atriz sente-se bem na sua pele e, por isso, não se inibe de usar looks mais arrojados, como aconteceu na passadeira vermelha dos prémios E!.

Com um jumpsuit de veludo, Rita foi o centro das atenções graças ao seu decote. “Acho que estou bem”, confidenciou à chegada mostrando-se uma mulher confiante. “Sou fiel ao meu estilo, às coisas de que gosto e é muito difícil conseguirem impingir-me o que quer que seja”, realçou, salientando que gosta de “arriscar” quando o assunto é moda. No entanto, não perde a cabeça: “Não sou nada consumista e compro só o que gosto mesmo”. “Já aconteceu ir a uma gala com um vestido comprado na feira de Carcavelos e ser considerada uma as mais bem vestidas”, lembra.

rita-pereira1.jpg

 Férias…“ainda falta!”

A caminho da terceira temporada, a trama da TVI tem sido marcada por cenas de grande violência e a personagem de Rita Pereira não foge a essa tendência: “Não há um dia em que não chore, ou grite ou tenha de fazer uma cena de violência doméstica”. Um papel “muito intenso” que lhe tem valido largos elogios e…pouco tempo para gozar umas férias: “Ainda falta muito para pensar nisso. Agosto talvez…”. E enquanto esse tempo não chega, vai aproveitando alguns fins-de-semana para sair do país. “Faço questão de sair daqui, faz-me bem à mente”, confessa.

Feliz por fazer parte da “família TVI”, Rita Pereira manifesta o desejo de continuar no canal. “Até aqui tudo tem corrido muito bem, há equilíbrio e isso é o mais importante”. Sobre a sua permanência no canal, a atriz que começou nos “Morangos com Açúcar” afiança sentir que esta parceria se manterá por “muitos mais anos”. “É isso que quero!”, concluiu.

rita-pereira.jpg

Rita Pereira no 23º aniversário da TVI

Fonte: Move noticias

publicado por *Patricia* às 21:01
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 15 de Setembro de 2015

VFNO 2015 Magnolia - Fotos parte 1

Obrigado a todos os que tornaram a noite de ontem mais especial! Um obrigado do tamanho do mundo à nossa musa Rita Pereira que foi incansável sempre com um sorriso gigante! Esperamos que tenham adorado! ♥

Retirado do facebook da Magnolia

11953168_925875857449216_7118510218711886673_n.jpg

12006288_925875917449210_5868196836334447140_n.jpg

12003295_925875914115877_8237287199639881930_n.jpg

12004802_925875920782543_8073519148293465293_n.jpg

11998942_925875944115874_7733596959549982527_n.jpg

11988550_925876034115865_2585859749974286376_n.jpg

12002197_925876040782531_510727571750204888_n.jpg

12009756_925876030782532_4293452212184883132_n.jpg

12006166_925876074115861_4684409064451245884_n.jpg

11998974_925876147449187_7830426291462303188_n.jpg

12009665_925876164115852_8217701234529025435_n.jpg

11014645_925876157449186_7582634436148925051_n (1)

12002886_925876194115849_4847933491097309624_n.jpg

11224423_925876264115842_595055310793296450_n.jpg

12011236_925876277449174_5171095244790240362_n.jpg

11224046_925876320782503_540296045172313926_n.jpg

11954799_925876317449170_1684263743788987784_n.jpg

12004721_925876340782501_3587322234560358093_n.jpg

12004951_925876374115831_2512577421597078160_n.jpg

11993280_925876447449157_2426907448856897833_n.jpg

11064722_925876484115820_2501084514689427813_n.jpg

12011214_925876527449149_427974555421091144_n.jpg

11150770_925876534115815_649218075022111512_n.jpg

12002862_925876600782475_5921545067641748102_n.jpg

12002142_925876670782468_4861498264449032870_n.jpg

11046279_925876704115798_2413565959102858130_n.jpg

12002033_925876797449122_5626056868556806095_n.jpg

12011233_925876827449119_7476301338752423341_n.jpg

12004834_925876880782447_3361805660374711109_n.jpg

11988608_925876890782446_6101946207956018955_n.jpg

11986590_925876934115775_4415504934167594154_n.jpg

12002141_925877007449101_8675129279845706608_n.jpg

11999003_925877184115750_6802397464761220633_n.jpg

11999064_925877174115751_7845514311570090710_n.jpg

11891157_925877180782417_5411161284260200218_n.jpg

11215091_925877214115747_3699378738034249134_n.jpg

11954722_925877374115731_6189025952921723220_n.jpg

11995743_925877370782398_8221741405972328662_n.jpg

11986482_925877360782399_8026066721607888325_n.jpg

11990492_925877417449060_3911416094331276533_n.jpg

12009800_925877530782382_3890227623216098114_n.jpg

11986522_925877547449047_2680134863061652457_n.jpg

12002852_925877550782380_6341912897517958561_n.jpg

12011216_925877614115707_7649070081536395148_n.jpg

12002833_925877720782363_5614379703145768738_n.jpg

12004940_925877737449028_2641493843407139817_n.jpg

12003911_925877760782359_8298276615341236746_n.jpg

11998995_925877880782347_2038030509066173356_n.jpg

12004850_925878037448998_3192844645594472606_n.jpg

11990391_925877937449008_7102710555452662024_n.jpg

10624936_925878044115664_342574009555359293_n.jpg

12003319_925878137448988_2274844153802224062_n.jpg

11988716_925878144115654_1080203466927383554_n.jpg

12002047_925878190782316_7118376449164858142_n.jpg

 

11150846_925878200782315_9048692581954591650_n.jpg

11222457_925878260782309_2579976337071464376_n.jpg

12006217_925878274115641_7062794324501528484_n.jpg

12003292_925878344115634_2089142677324640927_n.jpg

11988719_925878347448967_3669478768426612256_n.jpg

10428087_925878420782293_9176202697496142322_n.jpg

12002764_925878424115626_2393149620923726419_n.jpg

12002799_925878474115621_3733741090813456961_n.jpg

12009760_925878477448954_7892092779644503168_n.jpg

11224310_925878524115616_8375687415513951161_n.jpg

12011115_925878540782281_771621334670980744_n.jpg

12009556_925878584115610_5550253581807474136_n.jpg

 

publicado por *Patricia* às 00:08
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Setembro de 2015

A FORÇA DO AMOR

entrevistacristina.jpg

 “É hora de falar”, atirou ela, semanas antes desta entrevista. No dia, estávamos ambas nervosas. Sabíamos que a conversa iria mexer com as memórias e com o amor. O de ontem e o de hoje. Rita Pereira fala pela primeira vez de como viveu a morte do homem que tanto amou. E talvez agora esteja pronta para seguir em frente. Angélico é um passado sempre presente porque, afinal, o tempo não cura. O tempo só atenua a saudade.

 

Cristina Ferreira (C.F.) – Obrigada, Rita, por teres aceitado o meu convite. A verdade é que nos conhecemos desde sempre… Devemos ter entrado neste meio, mais ou menos, ao mesmo tempo. Há quantos anos estás na televisão?

Rita Pereira (R.P.) – Há 12 anos.

C.F. – Eu, há 11. Portanto, andamos aqui a par uma da outra. Fui acompanhando o teu percurso e achei sempre que tinhas uma personalidade tão forte que aguentavas tudo. Foi por isso que pensei que o tema desta entrevista só poderia ser o amor. Porque tu, para seres essa fortaleza, deves ter sido mesmo muito amada desde sempre. É verdade?

R.P. – Sim. Eu tenho noção disso, e a cada dia essa noção aumenta. O meu grande segredo é o amor. Sem dúvida. O amor que a minha família me deu e tudo o que vivi na infância. Fui sempre tão feliz!… Nunca fomos ricos, nem eu tive tudo o que queria, não tive os brinquedos todos com que sonhava, os meus livros da escola eram emprestados porque eu fazia questão disso, de evitar que os meus pais gastassem dinheiro quando podia conseguir os manuais emprestados. Mas sempre tive consciência de que era muito feliz. E não sabia que havia pessoas infelizes. Achava que eram todos tão felizes quanto eu.

C.F. – Mas, infelizmente, há pessoas infelizes…

R.P. – Sim, e foi depois de crescer que tive consciência disso, de que havia histórias de infâncias infelizes. Felizmente, a minha foi perfeita.

C.F. – A tua família emigrou. Tu emigraste e bem pequenina…

R.P. – Sim, emigrámos quando eu tinha três anos. Parte da família da minha mãe já estava a viver no Canadá há alguns anos, tanto que os meus primos são canadianos e mal falam português. A minha irmã também nasceu no Canadá, por sinal. E lá passei uma fase ótima.

C.F. – Aceitaste bem o nascimento da tua irmã?

R.P. – Eu gostei. Ela é que sofreu muito [risos]. Confesso… Ela sofreu muito comigo [risos]. Há uma história – que, por acaso, acho que nunca contei publicamente – que remonta ao tempo em que a minha irmã ainda não falava… E sabes quando estás a fazer o tão-balalão?… Portanto, eu estava a embalar a minha irmã e, de repente, ela vai para trás com força e bate com a cabeça no chão, começa a gritar e eu vou a correr, pego em algumas bonecas e finjo que está tudo bem. O meu pai chega e pergunta o que é que se está a passar e eu: “Ai que horror, deve ter caído” [risos]. O que vale é que, nessa altura, ela não falava, porque quando começou a falar, a coisa tornou-se mais complicada…

C.F. – Porque aí ela começou a contar o que tu lhe fazias [risos]…

R.P. – Pois… [risos] Mas fomos muito felizes também. Muitas vezes, eu obrigava-a a fazer teatros… Ela estava sempre mascarada de cão e de rato e de coisas assim…

C.F. – Que tipo de ligação é que manténs, hoje em dia, com a tua irmã?

R.P. – Somos muito confidentes. Contamos tudo uma à outra. A minha irmã é… tudo para mim. Mais até do que os meus pais.

C.F. – Achas mesmo?

R.P. – Sim. E quando eu digo que é mais do que os pais é… [pausa] Enfim, como eu já tenho consciência da morte e da saudade que a morte provoca, às vezes, começo a pensar como será lidar com a ausência das pessoas que me são próximas… E reflito sobre isto devido a tudo o que já me aconteceu… E penso como é que será perder esta ou aquela pessoa… Chego à conclusão de que não saberia viver sem a minha irmã… Acho que se ficasse sem a minha irmã, seria derrubada.

C.F. – E como é que vocês, que passaram uma infância tão feliz, viveram depois, em plena adolescência, a separação dos vossos pais?

R.P. – Foi muito complicado, porque não estávamos mesmo à espera de que isso acontecesse. Eu tinha 16 anos, a minha irmã, dez. Nunca nos tínhamos apercebido de que havia alguma coisa mal. Os meus pais nunca discutiram à nossa frente… Portanto, a separação decorreu pacificamente. Os nossos pais juntaram-nos na sala e disseram-nos que não estavam a entender-se e que continuaríamos a ser felizes, mas… em duas casas. E assim foi. Depois, eu e a minha irmã tornámo-nos meninas de recados… Era “diz isto ao teu pai” ou “diz isto à tua mãe”… E essa situação é que me marcou negativamente.

C.F. – Mas eles não ficaram amigos?

R.P. – Houve ali uma fase em que eles, realmente, não se falavam. Daí, nós servirmos de meninas de recados. A minha irmã só ganhou com isso [risos]… Porque recebia tudo aquilo que pedia. Por outro lado, eu cresci um bocadinho mais depressa. A minha mãe trabalha na Santa Casa da Misericórdia, com crianças abandonadas… Ela não é a professora, é antes, a tutora, a ‘mãe’, dessas crianças e, na altura em que se divorciou, ela tinha de dormir, dia sim, dia não, lá no trabalho. Então, nós ficámos com o nosso pai, o que é uma coisa rara… Normalmente, as meninas ficam com as mães… E isso fez-me alguma confusão porque a minha mãe, estando sempre presente, não estava lá em casa. Então, eu tornei-me um bocadinho mãe da minha irmã. Por exemplo, num jantar de família, se a minha irmã se portasse mal, ela não olhava para os meus pais, olhava para mim.

C.F. – Vocês tornaram-se as meninas do papá…

R.P. – Posso dizer que sim [risos]. Víamos e continuamos a ver a nossa mãe todas as semanas. Mas acho que sim, que me tornei um bocadinho a menina do pai. E se já se costuma dizer que as meninas, por norma, são mais dadas aos pais, no meu caso, pelo facto de ter passado a viver com o meu pai a partir dos 16 anos, isso aproximou-nos ainda mais.

C.F. – E a tua mãe nunca teve ciúmes?

R.P. – A minha mãe, se calhar, tem pena de não ter ficado connosco a tempo inteiro. Mas o trabalho dela impediu-a… E lá está: isso não é uma coisa que me afete muito, porque foi tudo muito bem resolvido e a minha mãe está muito presente. Aos 21 anos, saí de cada. Portanto, só não vivi com a minha mãe dos 16 aos 21. O certo é que, por causa da separação dos meus pais, ganhei um chef cinco estrelas, uma quase estrela Michelin [risos]…

C.F. – O teu pai não cozinhava?

R.P. – Cozinhava, mas não cozinhava tanto assim. A partir do momento em que eu e a minha irmã fomos viver com ele é que começou a cozinhar mais. Sabes como é… Numa casa, a mulher assume sempre esse papel. E era o que acontecia quando vivíamos todos juntos.

C.F. – Nunca sonhaste com a reconciliação dos teus pais?

R.P. – Muitas vezes… Muitas vezes pensei que eles iam voltar… Até agora, não aconteceu, mas ainda pode acontecer! [risos]

C.F. – [risos] Mas sabes que isso é comum nos filhos de pais separados? Há sempre uma esperança na reconciliação…

R.P. – Eu acho que sim, também [risos]. Pai, mãe… desculpem… [risos].

C.F. – Mas notas que há alguma coisa entre eles?

R.P. – A nossa vida em conjunto foi tão perfeita e tão harmoniosa que é natural que eles se amem para sempre. Mesmo que a vida não volte a juntá-los. Eu sei que se acontecer alguma coisa a um, o outro sofrerá…

C.F. – Portanto, passaste a partilhar tudo com o teu pai…

R.P. – Já contava tudo à minha mãe e passei, sim, a contar tudo também ao meu pai [risos]… E é engraçado que o meu pai sempre teve muita confiança em nós, mas, a partir dos 16 anos, eu comecei a ter mais truques com ele [risos]…

C.F. – Truques?! [risos] Que truques?

R.P. – Do género, chegar mais tarde do que o previsto, sem que o meu pai ficasse chateado. E descobri o truque perfeito [risos]. Pai, desculpa, mas vou ter de contar [risos]. O meu pai é muito guloso. E muito dorminhoco também! Dorme como uma autêntica pedra. Ora, a partir dos 16, o meu pai deixou de me ir buscar aos sítios para onde saía de noite, sendo que eu, apesar de tudo, quando chegava, tinha sempre de o acordar e dizer que tinha chegado. Então, o que é que eu fiz? Os meus amigos ficavam sempre até às cinco da manhã, e eu só podia ficar até por volta das três. Então, descobri um sítio onde se vendiam bolos às cinco e às seis da manhã e… lá ia eu. Pedia sempre o bolo mais doce. Era sempre o mil-folhas. Pronto! E, assim, chegava às seis da manhã a casa, entrava no quarto devagarinho, virava o despertador e empurrava-lhe o bolo: “Pai, trouxe-te um bolo!” [risos]. E o meu pai, ainda deitado, de olhos fechados, comia o bolo e dizia: “Estava mesmo a apetecer-me! Obrigado, filha!” No dia seguinte, ele perguntava-me a que horas é que eu tinha chegado, e eu dizia-lhe: “Então, tu pediste-me para chegar às três e eu cheguei às três…” [risos]

C.F. – Pode dizer-se que viveste uma adolescência sem dramas…

R.P. – Sim, vivi uma adolescência com muitos amigos e muito feliz. Vivi tudo na hora certa. E lá está: tudo porque os meus pais sempre tiveram muita confiança em mim. Os meus pais nunca me mandaram estudar, por exemplo. E isso porque eles sabiam que, no final do ano, as notas apareciam. Nunca fui menina de vintes. Mas era menina de quinzes e dezasseis.

C.F. – E tinhas muitos meninos atrás de ti, nessa altura?

R.P. – Tinha, mas para jogaram basquetebol comigo [risos]. Confesso que não era muito namoradeira.

C.F. – Mas tinhas ar de maria-rapaz ou já eras muito feminina?

R.P. – Era muito feminina… Era a miúda que chegava e os rapazes olhavam e mandavam piropos. Mas, depois, quando eu dizia “Como é? Vamos jogar ali um basquetezinho?”, eles aí percebiam como é que eu era…

C.F. – Chegavas a ser bruta para eles?

R.P. – [com voz sumida] Muito bruta [risos]… Eu era superbruta. Eu era tão bruta que o meu pai – que era jogador e treinador de basquetebol – em cinco anos viu apenas uns três jogos meus. Eu dava tanta porrada e levava tanta porrada, que o meu pai dizia: “Eu não quero ver isto!” E ia-se embora. Isto porque o basquetebol feminino, ao contrário do que as pessoas pensam, é muito mais agressivo do que o masculino.

C.F. – E foi por causa de uma lesão que abandonaste o basquetebol…

R.P. – Sim, aos 19 anos…

C.F. – Mudemos de assunto e falemos de amor… Quando é que o amor – um amor como aquele que existiu entre a tua mãe e o teu pai – entrou na tua vida?

R.P. – Aos 14 anos, apaixonei-me e mantive esse namorado durante uns anos. Gostei mesmo muito dele.

C.F. – Ainda falas com ele?

R.P. – Não, por acaso não… Não nos vemos há imenso tempo, embora tenhamos amigos em comum. Não o vejo há muito, mas sei que o vir estará tudo tranquilo.

C.F. – Mas foi namorado de ir a tua casa e os teus pais o conhecerem e isso tudo?

R.P. – Sim, isso tudo. Foi uma coisa à séria.

C.F. – E contigo, ao que sei, foi sempre assim: à séria…

R.P. – Sim. Os namoros que tive foram longos. O primeiro durou cinco anos. O segundo, seis. E foram esses os namoros que eu tive. E acho que o amor, mesmo a sério, foi aos 21… Foi aí que eu percebi: “Ah! Isto é mesmo fixe!”

C.F. – Já com aquela pessoa que consideraste a tua alma gémea…

R.P. – Sim…

C.F. – Mas como é que soubeste que tu e o Angélico eram um só? Eras muito miúda…

R.P. – Sim, eu tinha 21 anos, mas, de repente, havia ali uma pessoa que me irritava…

C.F. – Ah! Ele começou por te irritar…

R.P. – Sim, e eu perguntava-me sobre o porquê de ele me irritar… Eu achava que ele tinha a mania e que se achava o maior… Mas, ao mesmo tempo, ficava intrigada sobre o porquê de eu lhe ligar tanto. Até que percebi que havia ali alguma coisa [risos]…

C.F. – E o sentimento dele, em relação a ti, era semelhante…

R.P. – Sim, ele achava que eu era uma manienta, e que nunca na vida iria ter alguma coisa comigo. Tanto que ele, o Angélico, achava a Cláudia Vieira muito gira. Nós andávamos sempre juntos: eu, ele, a Cláudia e o Pedro [Teixeira]. Quando ele falava da Cláudia, eu ficava com ciúmes… [risos]

C.F. – E foi um jogo de basquetebol que decidiu o início do vosso namoro…

R.P. – [risos] Tu sabes tudo…

C.F. – [risos] Pois sei…

R.P. – Foi mesmo. Porque o Angélico também gostava de jogar basquetebol e jogava bem e, às tantas, propôs-me um jogo. E esse jogo já tinha uma intenção, porque se eu ganhasse, podia escolher o restaurante para jantarmos. Se ganhasse ele, recebia um beijo. E eu deixei-o ganhar.

C.F. – Ah… [risos] Tu querias o beijo.

R.P. – [risos] Sim, e foi muito engraçado… Eu estava com 21 anos, já tinha namorado antes e… bolas… quando ele me disse: “Ganhei!”… Fiquei sem jeito, queria ir-me embora e tudo. E ele: “E então, o meu beijo?” E eu obriguei-o… [pausa com muitos risos]… a ir para debaixo de uma rampa de skate, porque não queria que ninguém visse o beijo [risos]. Mas, lá está… Era por essas pequenas coisas que eu percebia que aquele sentimento seria diferente, especial.

C.F. – Na altura, estavam ambos no auge do sucesso, com a série “Morangos com Açúcar”. Como é que geriram isso? Conseguiram viver à parte dessa mediatização?

R.P. – Hoje em dia, percebo que não… Porque eu hoje vivo à parte da mediatização e sei ver as diferenças. Naquela altura, tínhamos… vamos dizer assim… pessoas más à nossa volta e que nos influenciavam muito. Por outro lado, também ligávamos muito ao que as revistas inventavam. Todos os dias havia romances paralelos, traições de ambas as partes… E tudo aquilo mexia connosco. Discutíamos muito mesmo por causa dessas coisas.

C.F. – Quantos anos é que estiveram juntos?

R.P. – Seis anos. Cinco e mais um que ninguém soube [risos]. E fomos muito felizes. Nós éramos muito amigos e essa amizade, ao contrário de tudo o que foi escrito, ficou sempre. Depois de terminarmos a relação continuámos a falar muito. Eu sabia tudo. Sabia de todas as miúdas com quem ele estava, aquelas de quem ele gostava mais, as que ele achava que tinham um rabiosque melhor… [risos]

C.F. – Mas quem é que decidiu acabar?

R.P. – Decidimos um bocadinho os dois. E eu acho que o grande motivo foi o facto de não conseguirmos estar muito tempo juntos. Ele saía de casa às oito da noite – que era a hora a que eu chegava -,gravava a noite inteira e eu saía às sete da manhã, que era a hora a que ele chegava. E isto levava a discussões do género: “O que é que fizeste, o que é que não fizeste… Estiveste aqui, estiveste ali…” E quando estávamos juntos, nunca discutíamos.

C.F. – Sonhaste casar-te com ele?

R.P. – Sim, claro… Numa praia, ou assim…

C.F. – Tinham, então, até imaginado esse momento. Mas quando se deu a separação, como é que ficaste?

R.P. – Ficámos os dois muito desorientados. Até porque as revistas começaram logo a atacar, dizendo que ele estava com outra e eu com outro, enfim…

C.F. – Mesmo separados, continuavam a amar-se?

R.P. – Claro… Mesmo separados, quando víamos os boatos nas revistas, ligávamos um ao outro para tirar satisfações [risos].

C.F. – No fundo, nunca se separaram…

R.P. – Não!… Nunca nos separámos!… É uma relação que fica para sempre. Assim como a amizade com a Mena, a mãe do Angélico, também fica para sempre.

C.F. – Quando se deu o acidente, estavam ou não estavam a tentar ficar juntos de novo?…

R.P. – [pausa com risos] Nós não estávamos juntos… Tínhamo-nos reencontrado um mês antes e tínhamos começado a conversar de uma maneira diferente. Não quero magoar ninguém que, na altura, pudesse estar com ele. E esta é a verdade.

C.F. – Tu sentias que havia ali, de novo, alguma coisa…

R.P. – Sim… sentia. E não era que o tivéssemos procurado. Aconteceu. Aconteceu estarmos os dois no Porto a ver um jogo de basquetebol dos Globetrotters, uma equipa internacional, e termos, aí, começado a conversar… Foi, exatamente, um mês e quatro dias antes de o acidente acontecer…

C.F. – Sentes, então, que a vida te pôs à prova no dia em que recebeste aquele telefonema…

R.P. – Sim… muito…

C.F. – O que é que te disseram nesse telefonema?

R.P. – Ai… Cristina… [emociona-se]…

C.F. – A ti disseram-te logo a verdade?

R.P. – Mais ou menos… Primeiro, quando olhei para o visor do telemóvel, achei logo estranho que aquela pessoa estivesse a ligar-me… Tanto, que a primeira coisa que disse, sem que a pessoa do outro lado tivesse aberto a boca, foi: “O que é que aconteceu ao Angélico?” E essa pessoa disse-me que o Angélico estava no hospital, em estado muito grave, e que eu tinha de ir logo para o Porto e tinha de levar a Mena comigo.

C.F. – E foste tu que ligaste à mãe do Angélico…

R.P. – Sim.. e foi muito mau ter de ser eu a dizer-lhe. Embora, na verdade, naquele momento, nunca me tivesse passado pela cabeça que o final pudesse vir a ser aquele. Nunca. Eu percebi logo que era muito grave… Só que, lá está, nunca tinha lidado com a morte. Quando o meu avô materno faleceu, eu era ainda muito pequenina, portanto, não me apercebi. Nunca tinha lidado de frente com a morte… O que eu pensei foi que, sendo o Angélico tão forte, ele iria sobreviver.

C.F. – Sobre o que é que falaram as duas, tu e a mãe do Angélico, durante a viagem até ao Porto?

R.P. – Ah… Foi horrível, Cristina… O meu pai foi levar-me a casa dela por volta das cinco da manhã. Eu tive de dizer à Mena que o Angélico tinha sofrido um acidente, mas que estava tudo bem. Tive de mentir… E disse-lhe que tínhamos de ir ao Porto. Decidimos ir de avião, mas não conseguimos embarcar no primeiro voo, tivemos de esperar duas horas. E aquelas duas horas foram terríveis. Recebia telefonemas do hospital a darem-me conta do estado do Angélico, tinha a Mena a pedir-me a verdade, a verdade, a verdade… E eu sempre a rir-me e a dizer-lhe que estava tudo bem. E a mentira sucessiva durante aquelas duas horas… foi massacrante. Sinto que, naquelas duas horas, cresci dez anos. Eu tinha uma responsabilidade tão grande em cima dos ombros que virei mãe, amiga… Fiz todos os papéis.

C.F. – E estavas cheia de medo de chegar ao hospital…

R.P. – Sim, e a primeira pessoa com quem os médicos conversaram foi comigo. E foi terrível! Houve um enfermeiro – nunca esquecerei isto – que foi muito insensível quando lhe perguntei sobre o estado do Angélico. Ele disse-me: “O Angélico sobreviver e um tetraplégico voltar a andar é a mesma coisa.” Assim!… E depois… Fui para a igreja do hospital e rezei. Nunca na vida tinha rezado, não sabia o que era rezar, nem o que era pedir… A minha avó era católica e ensinou-me algumas orações, mas rezar para pedir alguma coisa, isso eu nunca tinha feito. Foi estranho, mas a verdade é que me ajoelhei naquela igreja e pedi muito, rezei muito. E estava muito desorientada, porque não me lembro de muitas coisas. Tenho imagens soltas. Não tenho o filme todo certinho…

C.F. – Os teus pedidos não foram atendidos… Como é que se vive uma partida destas?

R.P. – [suspiro] Bem, em primeiro lugar, eu queria ser forte. E queria ajudar os outros e tratar das coisas… Tratar do funeral, da roupa que ele ia usar…

C.F. – Sem chorar?

R.P. – Sim, sem chorar. E lembro-me de que um dos momentos mais dramáticos foi quando tive de dizer à Mena que ele queria ser cremado. A Mena… A Mena não queria. Agarrou-me, aos gritos, e disse-me que isso nunca iria acontecer, pois não fazia parte dos princípios dela. Claro que depois cedeu…

C.F. – O Angélico não mais falou, não mais teve uma reação… Mas tu despediste-te dele?

R.P. – [com voz sumida] Sim… despedi-me… Conversei muito com ele, pus muitas músicas para ele ouvir…

C.F. – Qual foi a última coisa que lhe disseste?

R.P. – Eu perguntei-lhe muitas vezes porquê… “Mas porquê? Porque é que isto aconteceu?” Mas nunca pensei mesmo que o desfecho fosse aquele. Mesmo no último dia em que saí do hospital, não saí a pensar que ia dizer adeus. Portanto, conversei longas horas com… [pausa] com o corpo, não é? Mas nunca saí dali a pensar que não voltaria a vê-lo vivo.

C.F. – Quando é que começaram as saudades difíceis de superar?

R.P. – Quando cheguei a casa, já depois do funeral, depois de tudo… Aí é que me bateu… Aí é que percebi o que é que, realmente, tinha acontecido. E todo aquele primeiro ano foi horrível…

C.F. – Quem é que foi importante para ti nessa altura? Choraste no ombro de quem?

R.P. – Da minha irmã. Em frente aos meus pais nunca chorei. Eles ligavam e perguntavam-me como é que eu estava e eu dizia que estava tudo bem. Fazia de conta que andava ocupada. A minha irmã é que levou com o filme todo, como se costuma dizer.

C.F. – O que é que tu guardas dele? Ainda tens coisas dele em casa?

R.P. – Tenho [risos]… Essas coisas estão guardadas e sinto, muitas vezes, que essas coisas são protecções minhas. Sinto que o Angélico me protege. E não escondo isto de ninguém.

C.F. – É um passado que não queres apagar, de todo! E que não vais esquecer nunca…

R.P. – Não costumo falar disto publicamente. Entre amigos, falo muito, sinto-me bem a falar do Angélico e sinto que me faz bem falar dele. Penso muito sobre o que andaria ele a fazer se ainda estivesse cá [sorrisos].

C.F. – Chegaste a pensar que a tua capacidade de amar tinha acabado aí?

R.P. – Na altura, decidi: “Eu não quero amar mais ninguém!” Não queria gostar de ninguém. Dizia a mim mesma: “Nunca mais na vida volto a sofrer desta maneira. Mas nem pensar!” [pausa] “Portanto, a única solução é eu não amar mais ninguém! Já tenho de me preocupar com o sofrimento de uma eventual perda da minha irmã ou dos meus pais, não vou meter mais uma pessoa na minha vida!” Foi assim que eu pensei.

C.F. – Mas sentias que, caso te apaixonasses, estarias também a desrespeitar aquele que tinha sido o amor da tua vida?

R.P. – Não! Não é por aí. Porque, lá está, quem eu perdi foi um grande amigo. Apesar de ter sido um grande amor, no momento em que ele partiu, éramos amigos.

C.F. – O tempo cura tudo?

R.P. – Não! Não. O tempo atenua a saudade… e atenua o sofrimento. O tempo ensina-nos e habitua-nos. Mas o sofrimento não se esquece e o que eu sofri estará sempre dentro de mim. E o medo de perder é eterno.

C.F. – Mas voltaste a descobrir o amor…

R.P. – [risos] E sou feliz como não imaginava ser…

C.F. – Se o Angélico estivesse cá, o que é que achas que ele te diria sobre o teu namorado?

R.P. – [pausa] “O gajo é um ganda bacano!” [risos]

C.F. – Falaste com o Angélico sobre o assunto, mesmo não estando ele cá?

R.P. – [pausa/comoção] Acho que foi o Angélico que o escolheu… Acho que foi por aí. Acredito que ele me foi orientando durante estes quatro anos. E eu deixei. Estava na hora e quando o amor apareceu, achei que era só mais um. Mas comecei a perceber que o caminho era este. Foi tudo tão perfeito que achei que este amor teve a mão do Angélico. São coisas que se sentem e que ninguém explica.

C.F. – Que força é que tem, afinal, o amor, Rita?

R.P. – O amor domina a minha vida. Vivo muito de amor.

C.F. – E estás pronta para… o amor de mãe?

R.P. – Sim, sim… Acho que estou pronta. A profissão ainda controla um bocadinho a minha vida, mas é um amor que eu quero em breve.

C.F. – Rita, muito obrigada…

R.P. – Obrigada eu [risos]…

C.F. – … e parabéns pela tua força!

R.P. – Obrigada!

 

Fonte: rita-pereira.com

publicado por *Patricia* às 23:57
link do post | comentar | favorito

"FILHO" DE RITA PEREIRA FAZ FUROR COM RAP

img_650x412$2015_09_14_15_22_06_106951.jpg

 Isaac Carvalho participou no programa ‘Pequenos Gigantes

Os ‘Pequenos Gigantes’, da TVI, prometeram uma noite em grande, que se tornou ainda maior devido à participação especial de Isaac Carvalho, que desempenha o papel de ‘Júnior’ na telenovela ‘A Única Mulher’.

O pequeno prodígio, que na ficção faz de filho de Luena - personagem interpretada por Rita Pereira -, encantou a plateia e a ‘mãe’ com um rap cheio de energia, acompanhado pelo grupo de dança Next Kids.Isaac já havia demonstrado os dotes musicais no facebook de Rita Pereira.

A noite foi ainda abrilhantada pela apresentadora, Cristina Ferreira, que se juntou a Gabriel e dançou o êxito de Anitta, ‘Show das Poderosas’, fazendo as delícias do público.

 

Fonte: Vidas

publicado por *Patricia* às 23:36
link do post | comentar | favorito

Rita Pereira com novo amor e pronta para ser mãe

naom_55c33d0419c24.jpg

 "Acredito que ele me foi orientando estes quatro anos", disse Rita Pereira

A entrevista de Rita Pereira à revista Cristina passou hoje na TVI. E foram algumas as revelações surpreendentes da atriz na conversa.

Rita começou a falar da sua infância e como foi feliz durante esta fase. No entanto, a parte mais emocionante chegou quando a atriz começou a falar do seu grande amor: Angélico.

"A história de amor começou com um jogo de basquete. Se ganhasse podia escolher um restaurante para irmos jantar, se ele ganhasse eu dava-lhe um beijo. Ele ganhou. Eu obriguei-o a ir para debaixo de uma rampa de skate porque não queria que ninguém visse", conta.

A atriz refere que o momento em que soube do acidente foi extremamente difícil e que foi ela que teve de dar a notícia à mãe de Angélico, Filomena.

Após a morte de Angélico, Rita pensou que não iria voltar a amar ninguém daquela maneira, até porque não queria sofrer mais.

Mas o amor voltou a acontecer e Rita acredita que teve uma grande ajuda de Angélico. "Eu acho que foi ele escolheu. Acredito que ele me foi orientado estes quatro anos. Estava na hora. E quando apareceu achei que foi só mais um. Mas depois comecei a pensar que era possível. Era tudo tão perfeito que eu achava que tinha ali mão dele", acrescenta,

Agora só resta concretizar o sonho de ser mãe. "Pronta para o amor de mãe?", perguntou Cristina.

"Sim, acho que estou pronta. Já quero ser mãe há muitos anos porque sempre tive uma relação ótima com crianças. Mas a nossa profissão leva nos sempre a pensar um bocadinho", conclui. 

 

Fonte: Notícias ao minuto

publicado por *Patricia* às 23:29
link do post | comentar | favorito

Cristina Ferreira entrevista Rita Pereira - Completo (14/09/2015)

 Actualizado (27/8/2016)

http://www.tvi.iol.pt/programa/cristina/55f310140cf244f583cbabbf/videos/--/cristina--videos/video/55f719570cf2e6961770ee64/1

publicado por *Patricia* às 23:17
link do post | comentar | favorito
Domingo, 13 de Setembro de 2015

Rita Pereira anseia pelo Emmy para “A Única Mulher”

IMG_2097-850x567.jpg

 Há cerca de nove meses que Rita Pereira dá vida a “Luena”, uma jovem mãe que não olha a meios para levar a bom porto a vingança que prometeu travar contra a família de “Norberto Venâncio”.

De corpo e alma no projeto, a actriz confessa-se muito feliz “com o sucesso da novela” e com o rumo que a sua personagem “está a levar”.

Difundida para vários locais (a produção da TVI já chegou ao Chile, África do Sul, Moçambique, entre outros) esta é, para Rita Pereira, “uma novela que tem tudo para ir aos Internacional Emmy Awards”, um objectivo que a actriz gostaria de alcançar à semelhança do que aconteceu com “Meu Amor”, a primeira produção nacional a receber um prémio desta natureza e da qual fez parte.

Atriz apoia moda nacional

Numa noite dedicada à moda, Rita Pereira fez questão, como já vem sendo hábito, de “dar voz” a marcas e criadores nacionais.

Conhecida a sua relação de amizade com a estilista Micaela Oliveira, desta vez a atriz optou por ajudar à visibilidade de “um novo criador do Porto”. Com apenas “17 anos”, Gonçalo Peixoto ousou desafiar Rita Pereira a vestir uma das suas peças.

Assim, a jurada de “Pequenos Gigantes” envergou um modelo amarelo composto por uns calções e top de corte inovador ao qual juntou acessórios da marca de jóias Magnólia.

Um look que não desiludiu as várias dezenas de fãs que rumaram aos Armazéns do Chiado para estar com a atriz.

Ciente da responsabilidade que tem por ser o ídolo de muitas jovens, Rita Pereira garante que não sente qualquer receio de desiludir as pessoas que a procuram: “Sou muito feliz com a pessoa que sou e tenho uma grande confiança na minha personalidade por isso, nunca penso que vou desiludir”, afiança acrescentando que se sente “muito feliz” com a mulher em que se tornou.

IMG_21031.jpg

 

Fonte: Move notícias

publicado por *Patricia* às 19:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Setembro de 2015

Pedro Teixeira inaugura restaurante Vapor 26.7.2015

800 (11).gif

800 (12).gif

800 (13).gif

800 (14).gif

 

 

publicado por *Patricia* às 13:18
link do post | comentar | favorito

Rita Pereira no Catpower - Rádio Comercial

 

 

publicado por *Patricia* às 10:35
link do post | comentar | favorito